Alabama Shakes – Sound & Color

Foi em novembro de 2011, que escutei e escrevi pela primeira vez sobre os Alabama Shakes, essa banda brilhante e como diz no site, “with old-fashioned blues, soul, gospel, and country in their blood but raised on modern rock”.

Hoje, dia 21 de abril de 2014, eles estão lançando seu segundo álbum, Sound & Color. Se você é fã de Black Keys, Drive-By Truckers, The Detroit Cobras, e ainda não conhece o trabalho de Brittany Howard, Heath Fogg, Zac Cockrell, Ben Tanner e Steve Johnson, shame on you!

alabama-shakes-sound-and-color-lp-stream

Leon Bridges – Coming Home

Foi no VVVision, programa musical semanal da Vevo UK, que conheci Leon Bridges. O artista de 25 anos nativo de Fort Worth (Texas), lançará seu primeiro álbum, Coming Home, no dia 22 de junho pela Columbia Records.

Se você gosta de soul, blues e gospel, se você é fã de Sam Cooke e Joe Tex, com certeza vai gostar de Leon Bridges.

leon-bridges

Gold link – Live set (no Boiler Room)

Foi assim que conheci Goldlink

The God Complex, primeiro projeto do rapper de 22 anos, lançado em 2014, vai da soul ao house por meio de rimas ferozes.

De Big L à KRS-One, Canibus e Kurupt, GoldLink estudou o processo criativo de seus artistas favoritos, e não se limitou ao rap: Edgar Allan Poe, Def Jam Poetry, Pink Floyd, Grimes, e Lykke Li.

GoldLink_2

“A lot of the homies I grew up with listen to GoldLink and don’t know it’s me,” he says, laughing. “So when everybody finds out it’s going to be like, ‘Oh that’s our little nigga, that’s our little nigga.”

Se você é fã de Sango e Kaytranada, com certeza vai gostar. Vale o play!

Tony Allen (em La Blogothèque; Concerts à emporter)

Tony Allen é descrito, com razão, como um dos pioneiros do afro-beat, como alguém que mudou para sempre o rumo do estilo, ao lado de seu mentor Fela Kuti.

Já havia comentado sobre ele e seu último álbum por aqui, mas deixei passar esse concerto “à emporter” gravado em março no Le Comptoir Général — Ghetto Museum (Paris), para o site francês la blogothèque.

“Il serait d’autant plus vain d’essayer d’expliquer pourquoi Tony Allen est un musicien et une personnalité comme on en rencontre rarement. Son regard, calme, bienveillant, étranger à toute notion de stress, droit dans l’œil de la caméra qui suivait le moindre de ses mouvement et de ses coups cet après-midi là l’exprimera mieux que n’importe quel texte.”